O linfoma de Hodgkin, também chamado de doença de Hodgkin, é um câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto formado por órgãos e tecidos que produzem as células responsáveis pela imunidade e por vasos que conduzem estas células por todo o corpo. O linfoma de Hodgkin, juntamente com o linfoma não-Hodgkin, são os dois tipos mais comuns de câncer que podem acometer o sistema linfático. No entanto, o linfoma de Hodgkin é menos recorrente do que seu par. De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer, a estimativa de novos casos para o linfoma de Hodgkin é de 2.870, sendo 1.600 homens e 1.270 mulheres. Além disso, ainda segundo o órgão, o número de óbitos decorrentes da doença, em média, é de 483 casos ao ano, sendo 260 homens e 223 mulheres. Existem vários tipos de linfoma de Hodgkin. Essa classificação se dá de acordo com as células envolvidas e o comportamento que elas desenvolvem. Conhecer o tipo exato de linfoma de Hodgkin ajuda o médico a determinar as melhores opções de tratamento. Linfoma de Hodgkin clássico O linfoma de Hodgkin clássico é o tipo mais comum da doença. Ele pode, ainda, ser dividido em subtipos. As pessoas diagnosticadas com este tipo de linfoma de Hodgkin apresenta células maiores e anormais nos nódulos linfáticos, chamadas de células de Reed-Sternberg. Fatores de risco Entre os principais fatores que aumentam o risco de linfoma de Hodgkin estão: #01 Idade O linfoma de Hodgkin é mais frequentemente diagnosticado em pessoas entre os 15 e os 35 anos e em pessoas com idade superior a 55 anos. #02 Histórico familiar Uma pessoa que tiver algum parente de sangue próximo diagnosticado com linfoma de Hodgkin ou linfoma não Hodgkin, como um irmão ou uma irmã, tem maior risco de desenvolver a doença. #03 Sexo Pessoas do sexo masculino têm mais probabilidade de desenvolver linfoma de Hodgkin do que pessoas do sexo feminino. #04 Infecção pelo vírus Epstein-Barr Pessoas que já tiveram doenças causadas pelo vírus Epstein-Barr, como mononucleose infecciosa, também são mais propensas a desenvolver o linfoma de Hodgkin. Sistema imunológico enfraquecido Ter o sistema imunológico comprometido, assim como acontece com pessoas soropositivas, ou com pessoas que passaram por um transplante de órgão, também eleva as chances de desenvolver linfoma de Hodgkin. Sintomas de Linfoma de Hodgkin Entre os principais sinais e sintomas de linfoma de Hodgkin estão: Inchaço indolor dos gânglios linfáticos do pescoço, axilas ou da virilha. Fadiga persistente. Febre e calafrios. Suores noturnos. Perda de peso repentina e inexplicável (aproximadamente 10% do peso corporal). Tosse, dificuldade para respirar ou dor no peito. Perda de apetite. Prurido intenso. Aumento da sensibilidade aos efeitos do álcool no organismo ou dor nos nódulos linfáticos após a ingestão de bebidas alcoólicas.